Está com dor na prótese de silicone depois de anos da cirurgia? O que pode estar acontecendo? Veja nesse post o que pode significar esses desconfortos mesmo após muito tempo de ter realizado a mamoplastia de aumento. O que pode ocorrer se você está sentindo dor? A dor na prótese após anos da cirurgia realizada pode ser um sintoma de contratura capsular, que ocorre após um processo de encapsulamento da prótese. O encapsulamento é uma reação natural do próprio organismo contra um corpo estranho. No caso de um implante de silicone, esse corpo estranho será a prótese. Após o implante, ao redor dela será formada uma cápsula que tem a finalidade de proteger o organismo desse novo elemento, que vai ficar isolado. Após o decorrer dos anos ou mesmo após meses da colocação da prótese de silicone, pode ocorrer o engrossamento dessa cápsula e resultar na chamada contratura capsular, que nada mais é do que um processo inflamatório de reação a um corpo estranho A contratura pode ocorrer de 1% a 20% dos casos de implante de prótese de silicone em um período de 10 anos. Essa variação grande na literatura ocorre devido ao fato de alguns estudos considerarem pacientes com reconstrução de mama, que tem índices de contratura muito mais altos. Segundo o “Estudo de complicações em próteses mamárias: avaliação de 546 casos em oito anos”, publicado na Revista Brasileira de Cirurgia Plástica, houve 3,3% de casos de contratura com as mulheres estudadas. Esse estudo revelou que esses casos foram manifestados, em média, após 5 anos após a colocação da prótese. Essa retração da cápsula não tem a ver com a qualidade da prótese ou até mesmo uma inabilidade do cirurgião plástico, é uma reação pessoal de cada organismo. Esse encapsulamento, normalmente, ocorre em uma das mamas, mas poderá atingir também as duas. Graus de retração capsular O encapsulamento pode se desenvolver em vários graus (de 1 a 5). Nos casos mais leves é possível sentir um endurecimento da mama, porém, em graus mais graves surgem dores, desconfortos e podem até provocar alterações estéticas na mama. Isso ocorre porque a contratura pode pressionar a prótese levando a mudanças de formato. Muitas mulheres que tiveram esse problema chegaram a revelar ao médico que perceberem uma certa subida da mama. Um acompanhamento anual do cirurgião plástico também poderá diagnosticar essa complicação tardia da colocação da prótese de silicone. Assim, evita-se que a contratura capsular atinja graus mais graves, correspondentes aos graus 3 e 4, que têm menor incidência. Graus 1: são contraturas mais leves que apresentam um endurecimento pouco perceptível; Grau 2: apresenta um endurecimento que fica mais perceptível mas ainda sem dor; Grau 3: já começam a ocorrer dores associadas ao endurecimento; Grau 4: dor, desconforto, endurecimento intenso e alterações estéticas nas mamas. Rompimento da prótese Outra complicação que pode ocorrer e levar à dor na prótese depois de anos é o rompimento. Pode ocorrer em casos de acidentes graves, quedas com alto impacto na região torácica, além de esportes nos quais a paciente sofre grandes impactos na região, com lutas. Alguns estudos realizados por empresas fabricantes de implantes que produzem implantes modernos com alta coesividade apresentaram uma taxa de ruptura de 9% em média em um período de 10 anos. Normalmente, a ruptura intracapsular não causa nenhum problema de saúde, mas pode ocorrer rupturas extracapsulares que podem provocar vazamentos para outros tecidos do corpo. Essas fissuras na prótese podem levar a algum grau de inflamação ao redor dos tecidos, especialmente se a paciente já estiver com alguma alteração em seu sistema imunológico. Por isso, ocorrem as dores. Além desse sintoma, mesmo das próteses modernas, o rompimento pode levar a hematomas, inchaços e alterações estéticas na mama. Vale também lembrar que até 2010, muitas mulheres colocaram próteses de uma marca francesa que tinha um alto índice de ruptura. Após esse período, a fabricação foi interrompida. As pacientes que colocaram essas próteses foram orientadas a trocar mesmo de forma preventiva. Não obstante, outras condições que causam mastalgia mais comumente também devem ser sempre consideradas mesmo nas pacientes que possuem prótese mamária. Alguns exemplos são alterações hormonais relacionadas ao ciclo menstrual ou menopausa, mastite, cistos e displasia mamária. Como tratar dor na prótese de silicone depois de anos ou meses? Se a paciente notar o endurecimento e diferença de uma mama para outra deve procurar o cirurgião plástico, e se ela começar a sentir dor na prótese de silicone depois de anos, essa busca por uma consulta realmente não deve demorar. Embora não haja riscos para a saúde, porque a repercussão do encapsulamento é mais estético, a ida à consulta vai permitir que o médico faça exames físicos e clínicos para entender o grau da contratura e as consequências que podem ter ocorrido, além da dor e do desconforto. Nem todas as contraturas capsulares levam a uma nova cirurgia de troca da prótese, com tratamentos medicamentosos o processo pode parar de evoluir. Nos casos de contraturas de grau 1 e 2, um medicamento específico pode barrar a gravidade do encapsulamento, porque é um modulador da inflamação crônica. Mas nos casos em que a contratura já chegou nos níveis 3 a 5 será mesmo necessária a troca da prótese de silicone. Então, a paciente deve se submeter a uma nova cirurgia para retirada da prótese atingida e também da cápsula formada em torno dela. Nestes casos, o médico pode tentar novas abordagens e colocar a prótese em local diferente de onde estava a anterior. As cirurgias de silicone preveem que a colocação das próteses pode ser feita debaixo da glândula (subglandular) ou abaixo do músculo peitoral maior (submuscular). Uma paciente que sofreu contratura capsular não necessariamente vai ter o problema novamente. Porém, o fato não está descartado de voltar a acontecer, vai depender de uma situação momentânea do organismo, que pode deflagrar uma reação exagerada ao corpo estranho. Mas, na tentativa de que não ocorra novamente, o médico vai indicar uma medicação que fará prevenção dessa reação do corpo, além dos antibióticos. No caso dos rompimentos das próteses por quaisquer motivos, a substituição da prótese de silicone é o procedimento indicado. Conclusão Esse procedimento de troca de prótese já costumava ser normal após um período que poderia variar entre 12 e 15 anos após a cirurgia de implante. Porém, materiais mais modernos permitem que muitas próteses permaneçam ao longo da vida da paciente sem necessitar trocar. O que vale lembrar é a importância de fazer o acompanhamento anual após colocação das próteses de silicone, com isso, as pacientes poderão evitar certos problemas.

Dor na prótese de silicone depois de anos: por que acontece?

Está com dor na prótese de silicone depois de anos da cirurgia? O que pode estar acontecendo? 

Veja nesse post o que pode significar esses desconfortos mesmo após muito tempo de ter realizado a mamoplastia de aumento.

O que pode ocorrer se você está sentindo dor?

A dor na prótese após anos da cirurgia realizada pode ser um sintoma de contratura capsular, que ocorre após um processo de encapsulamento da prótese.

O encapsulamento é uma reação natural do próprio organismo contra um corpo estranho. No caso de um implante de silicone, esse corpo estranho será a prótese. Após o implante, ao redor dela será formada uma cápsula que tem a finalidade de proteger o organismo desse novo elemento, que vai ficar isolado.

Após o decorrer dos anos ou mesmo após meses da colocação da prótese de silicone, pode ocorrer o engrossamento dessa cápsula e resultar na chamada contratura capsular, que nada mais é do que um processo inflamatório de reação a um corpo estranho

A contratura pode ocorrer de 1% a 20% dos casos de implante de prótese de silicone em um período de 10 anos. Essa variação grande na literatura ocorre devido ao fato de alguns estudos considerarem pacientes com reconstrução de mama, que tem índices de contratura muito mais altos.

Segundo o “Estudo de complicações em próteses mamárias: avaliação de 546 casos em oito anos”, publicado na Revista Brasileira de Cirurgia Plástica, houve 3,3% de casos de contratura com  as mulheres estudadas.

Esse estudo revelou que esses casos foram manifestados, em média, após 5 anos após a colocação da prótese.

Essa retração da cápsula não tem a ver com a qualidade da prótese ou até mesmo uma inabilidade do cirurgião plástico, é uma reação pessoal de cada organismo.

Esse encapsulamento, normalmente, ocorre em uma das mamas, mas poderá atingir também as duas. 

Graus de retração capsular

O encapsulamento pode se desenvolver em vários graus (de 1 a 5). Nos casos mais leves é possível sentir um endurecimento da mama, porém, em graus mais graves surgem dores, desconfortos e podem até provocar alterações estéticas na mama.

Isso ocorre porque a contratura pode pressionar a prótese levando a mudanças de formato. Muitas mulheres que tiveram esse problema chegaram a revelar ao médico que perceberem uma certa subida da mama.

Um acompanhamento anual do cirurgião plástico também poderá diagnosticar essa complicação tardia da colocação da prótese de silicone. Assim, evita-se que a contratura capsular atinja graus mais graves, correspondentes aos graus 3 e 4, que têm menor incidência. 

  • Graus 1: são contraturas mais leves que apresentam um endurecimento pouco perceptível;
  • Grau 2: apresenta um endurecimento que fica mais perceptível mas ainda sem dor;
  • Grau 3: já começam a ocorrer dores associadas ao endurecimento;
  • Grau 4: dor, desconforto, endurecimento intenso e alterações estéticas nas mamas.

Rompimento da prótese

Outra complicação que pode ocorrer e levar à dor na prótese de silicone depois de anos é o rompimento. Pode ocorrer em casos de acidentes graves, quedas com alto impacto na região torácica, além de esportes nos quais a paciente sofre grandes impactos na região, com lutas.

Alguns estudos realizados por empresas fabricantes de implantes que produzem implantes modernos com alta coesividade apresentaram uma taxa de ruptura de 9% em média em um período de 10 anos.

Normalmente, a ruptura intracapsular não causa nenhum problema de saúde, mas pode ocorrer rupturas extracapsulares que podem provocar vazamentos para outros tecidos do corpo. 

Essas fissuras na prótese podem levar a algum grau de inflamação ao redor dos tecidos, especialmente se a paciente já estiver com alguma alteração em seu sistema imunológico. Por isso, ocorrem as dores.

Além desse sintoma, mesmo das próteses modernas, o rompimento pode levar a hematomas, inchaços e alterações estéticas na mama.

Vale também lembrar que até 2010, muitas mulheres colocaram próteses de uma marca francesa que tinha um alto índice de ruptura. Após esse período, a fabricação foi interrompida. 

As pacientes que colocaram essas próteses foram orientadas a trocar mesmo de forma preventiva.

Não obstante, outras condições que causam mastalgia mais comumente também devem ser sempre consideradas mesmo nas pacientes que possuem prótese mamária. Alguns exemplos são alterações hormonais relacionadas ao ciclo menstrual ou menopausa, mastite, cistos e displasia mamária. 

Como tratar dor na prótese de silicone depois de anos ou meses?

Se a paciente notar o endurecimento e diferença de uma mama para outra deve procurar o cirurgião plástico, e se ela começar a sentir dor na prótese de silicone depois de anos, essa busca por uma consulta realmente não deve demorar. 

Embora não haja riscos para a saúde, porque a repercussão do encapsulamento é mais estético, a ida à consulta vai permitir que o médico faça exames físicos e clínicos para entender o grau da contratura e as consequências que podem ter ocorrido, além da dor e do desconforto. 

Nem todas as contraturas capsulares levam a uma nova cirurgia de troca da prótese, com tratamentos medicamentosos o processo pode parar de evoluir. 

Nos casos de contraturas de grau 1 e 2, um medicamento específico pode barrar a gravidade do encapsulamento, porque é um modulador da inflamação crônica.

Mas nos casos em que a contratura já chegou nos níveis 3 a 5 será mesmo necessária a troca da prótese de silicone. Então, a paciente deve se submeter a uma nova cirurgia para retirada da prótese atingida e também da cápsula formada em torno dela.

Nestes casos, o médico pode tentar novas abordagens e colocar a prótese em local diferente de onde estava a anterior. As cirurgias de silicone preveem que a colocação das próteses pode ser feita debaixo da glândula (subglandular) ou  abaixo do músculo peitoral maior (submuscular).

Uma paciente que sofreu contratura capsular não necessariamente vai ter o problema novamente. Porém, o fato não está descartado de voltar a acontecer, vai depender de uma situação momentânea do organismo, que pode deflagrar uma reação exagerada ao corpo estranho. Mas, na tentativa de que não ocorra novamente, o médico vai indicar uma medicação que fará prevenção dessa reação do corpo, além dos antibióticos.

No caso dos rompimentos das próteses por quaisquer motivos, a substituição da prótese de silicone é o procedimento indicado.

Conclusão

Esse procedimento de troca de prótese já costumava ser normal após um período que poderia variar entre 12 e 15 anos após a cirurgia de implante. Porém, materiais mais modernos permitem que muitas próteses permaneçam ao longo da vida da paciente sem necessitar trocar.

O que vale lembrar é a importância de fazer o acompanhamento anual após colocação das próteses de silicone, com isso, as pacientes poderão evitar certos problemas.

Comentários
Avatar

Posted by DR. RODOLFO OLIVEIRA